Entre folhas ... Incontestável contrabandista ...



Contrabandista,
passo noites a fio,
na aparência do teu sentimento,
contrabandista,
o brilho opaco dos teus lábios
refletidos na noite,
bordo o teu nome
e faço dele meu.

Contrabandista,
de um tempo
que não foi muito
e nem
muito menos,
existia no vazio
dos nossos sonhos.

Sou o,
contrabandista dos teus sonhos,
assumindo
as tuas ilusões,
e o teu sentimento,
despoleta as minhas
expressões.

Nem assim
nem menos,
o tempo para,
oferece-nos
alguns momentos
para amar um ao outro,
no silêncio mútuo.

Por acordo comum,
expressamos,
como contrabandistas
deste amor assumido…


Incontestável.

Beijos
J.

Entre folhas ... You call love ...



You can call me beloved,

If she only loved me
A few moments.
Can I call you love?
Without even loving her ...

She loved me so intensely
I still remember the sweats
Of my forehead, impotence
Of my body before his,
The burning of your breasts at night
The touch of his lips,
The color of its haloes,
The candor of her nipples,
The continuous talking,
The peace of restless hours,
Sleep in your lap,
The whips of my limb,
The accumulated blood,
The excitement of the senses.

Hours that seemed years,
Have never passed,
So messed up in my mind,
Moments so intense and fleeting.
In the heat of my nights,
I dwell in his days.
Without knowing.

I must call you beloved,
I still love her.

In the empty night ...

Beijos
J.

Entre folhas ... Tropeço... ...



Eu invento tudo,
às vezes olho
para dentro,
voltar no tempo
dos meus eternos desejos.

Eu que olho
a lua de cabeça para baixo,
vivo a vida a tropeçar,
caio,
e novamente caio.
Não há melhor contratempo
quando não vens,
porque gosto de ficar assim,
ao sabor do vento.
E a vida continua
aos tombos,
levanta e cai,
e sempre tropeçando,
à espera de ti…


E tropeço...

Beijos
J.